Agricultura Familiar

A comunidade na qual estamos colocados nesses três meses, Poço do Serrote, é um assentamento, formado há 8 anos dentro da reforma agrária apoiada pelo Governo de Lula da Silva. As pessoas que moram nessa comunidade, pois, aquelas que estão aqui desde o princípio, passaram quase dois anos acampados debaixo de lona ao lado da entrada ao terreno da estrada, numa protesta para forçar ao fazendeiro, um médico local, vender a terra ao Governo. Finalmente, depios de quase dois anos, esse sonho virou realidade e o Governo doou a terra ao povo. A Associação do assentamento é formado pelos assentados aqui, dos quais tem eligidos um Presidente, Secretaria, Tesoureiro etcetera. Colectivamente a associação tem o título ao expanso total da terra, mas, depois de 20 anos, cada pessoa que mora aqui vai poder pedir o título proprio para seu troço de terra. A Associação decide quem mora no assentamento e quem não, quem fica e quem sai. Tem sido uma viagem interesante para mim aprender como tudo funciona aqui, esse processo está longe de acabar.

Antes do assentamento formar, muitas pessoas aqui tinham lavrado a terra para o fazendeiro, seja a cultivar, seja ajudar na criação de animais pequenos o médios (gado, criação, ovelhas). A Cilene, uma das mulheres com quem estamos trabalhando nesses três meses, cuidava das ovelhas e a criação. Tinha mais do que 600 cabeças de que cuidar. O seu pagamento cubria algumas despesas e só a metade de qualquer producto que conseguiu dos animais, por exemplo, leite. As pessoas quem cultivavam para o fazendeiro tinham de dar a metade de cada coisa que ou cultivou ou ganhou – dois sacos de feijão quer dizer um para o agricultor, outro para o fazendeiro.

Agora todas as pessoas aqui têm o seu proprio terreno, a sua propria casa, as coisas melhoraram. Não obstante, com a seca, a primeira que a comunidade tal e como está agora,, vai enfrentar, as coisas estão ficando difícil. A seca só acaba de começar. Está ainda no period que se chama “seca verde” – teóricamente ao final do período de chuva, o período seco ainda não começou. Mas pessoas já estão ficando sem agua, estão já vendendo os seus animais a preços incrivelmente baixos,  já se ouve de casos em que os agricultores mesmo estão matando para deixar eles morrerem de fome. Nós iremos embora antes  da chegada do pior período da seca, mas é um pensamento bastante deprimente.

Uma das coisas que mudaram depois da formação da comunidade é o uso de técnicas agroecológicas. Isso ajuda aos agricultores de pequena escala não só ter accesso a uma dieta mais variada e nutritive, mas também lhes ajuda aumentar productividade e proteger-se melhor da pobreza. Como já mencionei noutros artigos, isso é alguna coisas em que nós, como voluntários, temos sido muito envolvidos, particularmente com respeito à feira agroecológica semanal. Tamb+em existem initiativas governamentais que deveriam ajudar aos agricultores nesse período difícil – entrarei em mais detalhe sobre isso num artigo futuro.

Aqui têm as histórias de alguns dos voluntários sobre a sua vida diária no assentamento. Olly e Charles moram com Deusalina e Fernandez e os seus dois filhos, Flávio e Fábio. Só fizeram recentamente a transição para agricultura agroecológica, e por tanto ainda não se juntaram à feira aos sábados. Ainda plantam numa roça de monocultura para conseguir ingresos. Quando chegámos, estava na época para colheita de cebolas. Num ano normal, plantava feijão depois de esse período, mas devido à seca, o terreno fica sem nada. A sua horta, não obstante, está começando produzir, com jerimum, maracujá, alface, pimenta e coentros já a dar fruto, e muito mais no caminho.
Always check generic cialis 5mg expiry of the medicines you buy online. Erectile dysfunction can be very cialis generic uk stressful for anyone going through it. free viagra tablets Equipoise enhances protein synthesis, causes a significant increase in muscle mass, etc. On the click description wholesale sildenafil whole, secrets are kept closely.
História de Olly e Charles sobre a vida diária com Fernandez e a sua família

Estos dias são bastante variados mas quase todos os dias eles vão a uma área breja com uma bomba eléctrica para conseguir água para seu chuveiro e também para aguar as plantas. Não é tão fácil como parece, dado que às vezes, de facto no maioria do tempo,  a nossa estadia se prolonga por causa de occlusões nos canos. É uma situação muito precária para eles e têm de passar por processos muito longos para desbloqueá-los.

Agora a agricultura está muito difícil para essas pessoas, particularmente este ano, nos esforços para sostener e fazer colheita do cultivo, para produzir o melhor cultivo possível na pior seca desde há 30 anos. A consecuência disso é que a terra ficou muito seca e irrigação manual é uma necesidade todos os dias. Os poucos cultivos que têm são cebolas, pelas quais recebm muito pouco dinheiro. Nós vimos ao Fernandez com os nossos proprios olhos um saco de cebolas que pesou por aí de 4 kgs para R$15. Ficamos chocados e afectados por isso dado que nos soubimos de todo o trabalho que se invertou para chegar à embalagem das cebolas. Todo o trabalho em nosso opinião vale mais do R$15. Quando o protector de sol custa R$40 nos sentimos que isso trabalho da gente deveria resultar em mais dinheiro para eles.   Todo esse processo nos faz reparar o privilêgios que nos temos lá e até quanto nos não agradecemos esses privilegios no Reino Unido. Também nos da uma experiência de como pessoas moram noutro parte do mundo, que nos ajuda a crescer como pessoas e aumentar a nossa paixão para ajudar às pessoas.

 

Share

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.