ImigrArte Lisboa 17-18 novembro

 

Ontem fui ao festival ImigrArte, dois dias de concertos, espectáculos, actividades e teatro para festejar e promover as culturas diversas dos imigrantes aqui em Lisboa. Algo que me impressionou foi a obra de teatro forum, que se tratava dos obstáculos dos “imigrantes” em Portugal, ainda presentes para aqueles que nasceram aqui, cresceram aqui, mas não têm cartão de cidadão.

ImigrArte é um festival que tem como objetivo juntar os imigrantes procedentes de qualquer país do mundo que se encontram aqui em Lisboa para passar dois dias a expor aspectos variados da cultura deles, e também para abrir um espaço do debate sobre o que significa ser imigrante, tanto as coisas boas como as coisas más.

Este ano foi a sexta edição de este festival. A evolução entre o festival do que eu me lembro em 2007-08 tem resultado na incorporação em muitas mais actividades, em vez de centrar-se só numa festival de música.

Esta edição tomou lugar no Mercado da Ribeira, na sala principal puseram o palco, onde expuseram uma variedade de músicas e danças tradicionais em torno do mundo – dos países lusófonos – Cabo Verde, Brasil, Angola e mais, até países da Europa do Leste como Moldávia e Ucraniana, até os países asiáticos, como Nepal. Foi um verdadeiro prazer experimentar os sons, instrumentos e movimentos de cada esquina do mundo.

Além disso, a sala estava cheia de comidas e bebidas típicas de cada país que se presentou aqui, que deu um gosto especial ao dia. Mas o que a mim me afectou mais foi o exemplo de teatro forum que apresentaram, numa sala ao lado, junto com os ganchos da carne usados nos dias úteis do mercado.

Para quem não saiba, o teatro forum é uma forma de teatro interactivo desenvolvido pelo director brasileiro Augusto Boal, também chamado o Teatro do Oprimido. Nesse tipo de teatro tem o actor-espectador, porque o espectador não tem um papel passivo, senão deveria envolver-se na obra, para dar ideias aos actores de como poderiam sair das situações de opressão em que se encontram.
Relationships among the people you love http://melissaspetsit.com/levitra-5005.html buy levitra online can influence how satisfied you feel. Although people say that out of site is out of mind, but in practice, nobody can forget someone order viagra online who always stays in touch. Tadalafil is likewise used tadalafil super active to treat the underlying condition first and foremost. Good Candidate for PRP The best candidate fast delivery cialis for PRP treatment is who have recently begun taking Kamagra.
Ontem, o tema de debate foi a imigração e a cidadania. Tratava de um jovem, de descendência caboverdiano, mas que tinha nascido e crescido aqui em Portugal. Apesar de sentir-se realmente português, não foi aceita como cidadão, senão recebeu um cartão de residência permanente. Isso não permitia que ele juntasse ao exército (ou qualquer outra função pública), que foi o sonho dele.

A interação entre os actores no palco e os espectadores que subiram lá para expor as ideias deles jogou luz a muitos obstáculos e possíveis soluções que enfrentam os imigrantes hoje em dia, não só em Portugal, mas em todo o mundo. Fez-me pensar em muitas coisas que não tinham passado pela minha cabeça nunca, particularmente o facto de ter nascido, crescido, num país, de sentir-se mesmo uma pessoa de essa nacionalidade, mas de ter de pagar e mostrar documentos para uma esperança distante de receber a cidadania completa.

Isso fez-me contemplar mais profundamente a situação pelo menos em Europa em geral nesses últimos anos. Com a crise económica, é fácil ver as políticas de países frente imigrantes tornarem-se mais e mais hostis, numa reacção contra os problemas que cada país está a sofrer. É uma realidade que para mim é muito preocupante, e o que me da esperança no futuro é que seguimos tendo este tipo de evento para agradecer a diversidade que temos em nossos países, e que seguimos tendo pessoas que querem falar das realidades dos imigrantes, porque é assim que podemos conseguir mudanças. É por viver em comunidades ricas e diversas que podemos superar os problemas, não por fechar-nos com só os nossos “paisanos”. Isso só resultaria num mundo com mais prejuízo, menos variedade e menos compreensão.

 

 

 

 

Share

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.